Últimas Notícias
Brasil

Amazon deverá indenizar mulher que perdeu metade do cabelo com produto

Mulher comprou produtos da Nova Cedral Comércio de Cosméticos no site da Amazon. As duas empresas foram condenadas a indenizar a consumidora

A Nova Cedral Comércio de Cosméticos e a Amazon Serviços de Varejo foram condenadas a indenizar uma consumidora que perdeu metade da extensão dos fios de cabelo após o uso de shampoo e condicionador adquiridos por meio da plataforma digital de compras. A decisão é da juíza do 3º Juizado Especial Cível de Ceilândia e ainda cabe recurso.



À Justiça, a mulher disse que comprou os produtos fabricados pela Nova Cedral no site da Amazon. Ao usá-los pela primeira vez, percebeu que os fios estavam ressecados e embaraçados mais do que o normal, o que piorou na segunda aplicação.


De acordo com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), a consumidora narrou que, após usar os produtos pela terceira vez, não conseguiu mais desembaraçar o cabelo, o que a fez procurar ajuda de um profissional. Ela ainda afirmou que mantinha os cabelos naturais e longos há sete anos. No entanto, por causa dos danos provocados pelos produtos, precisou cortá-los na altura da orelha.


Ainda segundo a autora do processo, os fios passaram a apresentar porosidade, ressecamento e mau cheiro quando molhados. Para a mulher, houve propaganda enganosa, uma vez que os produtos eram vendidos como veganos e prometiam redução da queda e plástica dos fios.

Shampoo e condicionador foram
comprados no site da Amazon
O outro lado

Em sua defesa, a Nova Cedral argumentou que o produto foi certificado e autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) com classificação de risco grau 1, uma vez que seria incapaz de causar efeitos adversos ao que se destina.


A Amazon, por sua vez, alegou que o resultado alcançado pela autora pode ter sido em razão da exposição do cabelo a altas temperaturas, o que danifica os cabelos. Os réus defendem, ainda, que a autora não comprovou a relação entre o produto comprado e os danos causados ao cabelo.


Indenização

Ao julgar, a magistrada entendeu que, com base nas provas do processo, é possível concluir pelo defeito do produto. A julgadora observou que “o que se esperava do produto fabricado e comercializado pelas rés era lavar e condicionar os cabelos e não o seu ressecamento e embaraçamento ao ponto de não mais se conseguir pentear os fios”.


Assim, determinou que as empresas devolvam os valores gastos com o produto defeituoso e com os que foram comprados pela consumidora para desembaraçar o cabelo, e que ambas indenizem a mulher pelos danos.


“Suportou a autora, em razão da situação descrita, indubitável sofrimento físico e psicológico, frente ao estrago e corte indesejado de seus cabelos, conforme se verificam dos vídeos anexados ao processo, inclusive, a causar-lhe prejuízo visual/estético, afetando sobremaneira sua tranquilidade e paz de espírito, mormente quando a autora utilizava os cabelos longos há muito tempo, sendo uma marca de sua personalidade”, destacou.


Dessa forma, as rés foram condenadas, de forma solidária, a pagar à autora a quantia de R$ 4 mil a título de danos morais e estéticos. Elas terão ainda que restituir o valor de R$ 102,02, gastos na aquisição do produto.


O site não conseguiu contato com as defesas da Nova Cedral Comércio de Cosméticos e da Amazon Serviços de Varejo até a publicação desta reportagem. O espaço permanece aberto para eventuais manifestações futuras.(Metrópoles)



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade