Últimas Notícias
Brasil

Após ataque no Parque Guajará-Mirim, conselheiros pedem proteção a servidores que combatem invasões de terra

Conselho também pede reintegração de posse imediata do Parque. Carta de repúdio foi encaminhada ao Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consepa).

Através de uma carta de repúdio, os conselheiros do Parque Estadual Guajará-Mirim (RO) pediram que o governo de Rondônia proteja os servidores que atuam no combate de invasões de terra na unidade. Segundo o documento, a ocupação ilegal é uma das principais causas do desmatamento no Parque e uma reintegração de posse imediata é necessária.

Operação no parque estadual Guajará-Mirim


A carta foi elaborada após uma reunião realizada no início do mês, na Câmara dos Vereadores de Nova Mamoré (RO). O documento apoia os policiais militares e servidores da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Ambiental (Sedam) que atuam para impedir invasões na área de preservação.


O estopim para o pedido de ajuda foi o ataque de invasores a um servidor da Sedam. Ele participava de uma fiscalização de rotina quando foi atingido com um tiro no braço. Na carta, os conselheiros pedem que seja feita uma investigação para punir os responsáveis pela emboscada.


Na carta, os conselheiros também pedem:


O fortalecimento das equipes da Sedam e da PM no Parque;

A reintegração de posse imediata;

E o planejamento e execução de ações que assegurem que os invasores não voltem a ocupar o Parque.

“Além de prezar pela vida dos servidores (SEDAM e PM), o controle do crime organizado deve ser vislumbrado como forma de combate aos ilícitos ambientais que assolam o meio ambiente e causam pânico no interior do Estado de Rondônia”, consta em um trecho do documento.


A carta assinada pelos conselheiros do Parque Estadual foi encaminhada ao Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consepa) e também deve ser direcionada ao Ministério Público Estadual (MP-RO) e Tribunal de Justiça Estadual (TJ-RO).


Histórico de invasão

Em junho foi realizada uma operação para combater a ocupação, comércio e a exploração ilegal de recursos naturais na Zona de Amortecimento do Parque Estadual Guajará-Mirim, conhecida como “Bico do Parque”. Durante a ação foram calculados danos ambientais que passam dos R$ 80 milhões.


Ainda este ano, o governo estadual aprovou uma lei que alternou os limites e reduziu aproximadamente 220 mil hectares do Parque Estadual Guajará-Mirim e da Reserva Extrativista Jaci-Paraná.


A lei foi considerada inconstitucional pelo TJ-RO há um mês. No entanto, durante o período de validade da norma o desmatamento das unidades aumentou consideravelmente, sobretudo no Parque Estadual.

Parque Estadual Guajará-Mirim


Conforme dados da WWF, o Parque Estadual não teve sequer um km² desmatado entre janeiro e abril deste ano.


Após a aprovação da lei, o desmatamento na área já chega a 40 km². As duas áreas juntas perderam, até outubro deste ano, 127 km². Quase todo este desmatamento aconteceu depois da aprovação da norma estadual. (G1RO)



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade