Últimas Notícias
Brasil

'VACA-LOUCA': Veto chinês trava 100 mil toneladas de carne no Brasil e já afeta preço

Suspensão da entrada de carne bovina vinda do Brasil começou há seis semanas, quando casos de "vaca-louca" foram anunciados no país

Cerca de 100 mil toneladas represadas de carne aguardam uma posição da China sobre veto que já dura seis semanas, a partir da divulgação dos casos de “vaca-louca” no Brasil. A estimativa é da consultoria especializada Safras & Mercado.

 


“Isso está represado desde o embargo. Normalmente a carne é inspecionada e despachada na sequência para os portos e de lá segue para o país de destino. Mas, com a China descredenciando o Brasil, o fluxo foi interrompido“, diz o consultor Fernando Iglesias.

 

O volume da carne estocada é uma estimativa informal, já que os frigoríficos não divulgam essa informação. No entanto, a Associação Brasileira de Frigoríficos informou que o Brasil exportou mais de 100 mil toneladas de carne bovina em setembro para a China, referentes a contatos firmados antes do veto.

 

A expectativa agora, segundo fontes ouvidas pela reportagem, é sobre a posição da China em relação às toneladas enviadas. Mesmo que sejam de contratos anteriores à descoberta da doença, ainda não há uma confirmação de que essas cargas foram entregues ao país asiático, ou barradas para serem devolvidas.

 

A China é o principal parceiro comercial brasileiro, e foi destino de 58% dos embarques de carne bovina de janeiro a setembro de 2021, o que corresponde a US$ 3,8 bilhões.

 

A reportagem entrou em contato com as principais exportadores de carne bovina do país. A Minerva Foods disse que segue com suas plantas no Uruguai e na Argentina para substituir a demanda da China. “Seguimos atendendo a demanda chinesa por meio de nossas operações nos outros países, sem comprometer o relacionamento com nossos clientes e nosso market share, o que reforça a diversificação geográfica como uma de nossas principais vantagens competitivas”, disse em nota.

 

Já Marfrig afirmou que “está em período de silêncio por conta de sua divulgação trimestral de resultados financeiros e não vai comentar”. A JBS também foi procurada pela CNN e disse que não vai falar sobre assunto.

 

Preços no mercado interno

 

Esse cenário já faz com que empresas procurem no mercado interno um destino mais rápido para o produto. “Frigoríficos já começaram a relatar que parte da carne que está nas câmaras frias já foi disponibilizada no mercado interno”, diz Iglesias. O movimento impacta diretamente nos valores, e a precisão é de que os preços caiam

 

“Os preços da carne no atacado estão cedendo, ainda não chegaram ao varejo, mas é questão de tempo”, diz.

 

A partir de uma coleta diária dos preços do mercado físico e também do atacado dos preços do boi gordo e da carne bovina no atacado, a consultoria estima que os preços podem cair de 10% a 15%, caso todo esse estoque chegue ao mercado interno.

 

No varejo, os preços podem cair em até 10%. “Tradicionalmente o varejo traduz movimentos de queda de maneira mais lenta e em menor intensidade”, diz.(CNN Brasil)



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade