Últimas Notícias
Brasil

Comitê da ONU marca julgamento de processo de Lula contra Moro para maio de 2022

18 peritos internacionais se reunirão para proferir decisão final em queixa apresentada contra o ex-juiz Sergio Moro

O Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) marcou para maio de 2022 o exame final do caso envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 



A queixa foi apresentada pela defesa do ex-presidente ainda em 2016, sob a alegação de que o então juiz Sergio Moro atuava de maneira parcial, ferindo assim o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, do qual o Brasil é signatário.


De acordo com o jornalista Jamil Chade, correspondente do portal Uol em Genegra, o Comitê indica que já concluiu tanto a avaliação sobre a admissibilidade do caso como a questão do mérito. Porém, a decisão cabe aos 18 peritos do órgão, que se reúnem daqui a sete meses. Na ocasião, deverá ser proferida a decisão final sobre o caso.


Em junho deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou Moro suspeito, anulando a condenação contra Lula no processo do tríplex do Guarujá (SP). Em função da suspeição do então juiz, a pena contra Lula no caso do sítio de Atibaia também foi anulada. Livre de qualquer condenação, o ex-presidente está apto a concorrer nas eleições do ano que vem.


Antes mesmo do julgamento da suspeição de Moro, o Comitê de Direitos Humanos da ONU já deu a primeira vitória para Lula, em agosto de 2018. O órgão então recomendou às autoridades brasileiras que mantivessem os direitos políticos de Lula, até que o seu caso fosse avaliado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As determinações do comitê internacional, contudo, foram ignoradas, excluindo o ex-presidente das últimas eleições.


“Danos irreversíveis”


Segundo Jamil Chade, “a esperança do governo brasileiro era de que o caso jamais fosse aceito para ser avaliado pela ONU”. Dadas as anulações proferidas pelo STF, a alegação seria que a Justiça brasileira estaria dando respostas ao processo. Portanto, não haveria necessidade de recorrer a instâncias internacionais.


No entanto, a defesa alega que existem “danos irreversíveis” contra o ex-presidente, como os 580 dias de prisão e o impedimento da candidatura em 2018. Além disso, alegam que as investigações sobre as violações cometidas por Moro continuam em andamento. Como prova da parcialidade do ex-juiz, citam que ele fez parte do governo Bolsonaro, se beneficiando da condenação imposta a Lula. Citam, inclusive, eventual candidatura de Moro nas próximas eleições.


“Solicita-se, portanto, ao Comitê que proceda ao julgamento dos méritos, fornecendo assim ao povo brasileiro, e a seus advogados profissionais, orientação quanto ao tratamento de tais casos de alto perfil, e um guia para o que as regras da justiça internacional exigem nestas circunstâncias”, dizem a equipe de defesa, segundo a reportagem.(Brasil de fato)



« VOLTAR
AVANÇAR »

Um comentário

  1. Difícil até de comentar uma notícia dessas, só resta ao povo brasileiro colocar o seu nariz de palhaço e agasalhar mais essa.

    ResponderExcluir

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade