Últimas Notícias
Brasil

Sargento registrou ocorrência de desaparecimento após matar a esposa

O Sargento da PM (Polícia Militar), Gilmar de Sousa Castro, de 52 anos, suspeito de ter matado a esposa e jogar o corpo no rio Madeira, em Porto Velho (RO). Procurou a polícia após o crime e registrou um Boletim de Ocorrência para informar o desaparecimento da mulher.


A mulher identificada como Lindauva Galdino de Araújo, 52 anos, morava com o sargento na zona Leste e foi morta a tiros na noite do último domingo (3). Em seguida, teve o corpo jogado no rio Madeira.

Filhas da vítima desconfiam do padrasto

Na última segunda-feira (4). As duas filhas da vítima disseram à polícia que o suspeito ligou para elas por volta das 2h da madrugada. Ele contou que Lindauva havia saído para comprar cigarros e desapareceu.

Porém, segundo uma das filhas, o homem não demonstrava sinais de preocupação. As mulheres foram à residência e notaram que a casa estava limpa, o que é incomum quando o casal bebia na noite anterior.

As filhas então começaram a desconfiar do padrasto e chamaram a Polícia Militar.

Suspeito diz que sangue na casa era de um gato machucado

A Polícia Militar fez buscas no interior da residência. De início, os agentes encontraram uma cápsula 9 mm deflagrada e vestígios de sangue. Ao ser questionado, o suspeito disse que o sangue era de um gato machucado.

Logo depois, os policiais encontraram uma poça de sangue. Em seguida, o suspeito confessou o crime. Ele disse que a arma disparou acidentalmente e a esposa morreu com apenas um tiro.

Então o sargento decidiu enrolar o corpo da vítima em uma lona, a colocou dentro do carro e jogou no rio Madeira.

Prisão e confissão

Após confessar o crime, o sargento da PM recebeu voz de prisão. Ele informou o local onde jogou o corpo da mulher. Conforme o relato do suspeito, o Corpo de Bombeiros iniciou buscas pelo corpo.


Os ossos da vítima foram encontrados durante as buscas. Segundo a corporação, peixes conhecidos como candiru devoraram o corpo. O sargento foi levado para o Departamento de Flagrantes pelos crimes de feminicídio e ocultação de cadáver.

Vizinhos ouviram mais de um tiro

Segundo a polícia, o casal estava ingerindo bebida alcoólica com amigas. Duas testemunhas disseram que foram embora por volta das 20h 30 min, após o policial puxar a mulher com força pelo braço.

Vizinhos disseram à Polícia Militar terem ouvido ao menos três disparos de arma de fogo vindo da casa do suspeito. Além disso, a perícia realizou os trabalhos de praxe na casa e outras três cápsulas 9mm deflagradas. O calibre é o mesmo da arma do sargento.

Uma das filhas da vítima fez um vídeo e publicou em redes sociais desabafando sobre o caso.

“Gente eu estou na frente da casa da minha mãe. Eu quero pedir a ajuda de todos porque o cara matou minha mãe e é policial. E eu não quero que saia no papel que foi acidental, porque não foi acidental. Ele tirou a vida da minha mãe. Eu só quero justiça”, disse a filha emocionada.

Fonte: Diário da Amazônia.



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade