Últimas Notícias
Brasil

Pacientes de RO com suspeita de varíola dos macacos são agricultores casados e moram em Rio Crespo

Os dois pacientes com suspeita suspeita de varíola dos macacos são agricultores de Rio Crespo (RO), cidade que tem 3,7 mil habitantes e está localizada a cerca de 200 quilômetros de Porto Velho.



Segundo a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa), esses dois trabalhadores rurais "seguem isolados e clinicamente bem", sendo monitorados pelas equipes de vigilância em saúde.

Em entrevista à Rede Amazônica nesta terça-feira (7), o diretor da Agevisa, Gilvander Gregório, disse que os dois pacientes são casados e moram na zona rural de Rio Crespo.

"Os pacientes monitorados são um homem de 32 anos e uma jovem de 25 anos, que são casados. Eles não saíram do estado e não viajaram para outro país. Eles apresentaram os sintomas em meados de maio, mas recebemos a notificação em 2 de junho. Já fizemos exames e descartamos sífilis, Zika e agora esperamos o resultado de parte dessa coleta para confirmar ou não [a varíola dos macacos]", diz Gregório.

Até esta terça-feira (7) o Brasil tem seis casos suspeitos de varíola dos macacos. Não há nenhum caso confirmado da doença. Os estados de Santa Catarina, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul e São Paulo têm um caso suspeito cada um.

A investigação dos casos de Rio Crespo está em andamento e amostras já foram coletadas e enviadas ao Laboratório Central de Rondônia (Lacen) e Laboratório de Referência Nacional, em Minas Gerais.

Segundo o diretor da Agevisa, o resultado das amostras coletadas em Rondônia deve sair nos próximos dias.


Sintomas e transmissão

Os sintomas iniciais da varíola dos macacos costumam ser febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão.

Dentro de 1 a 3 dias (às vezes mais) após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, geralmente começando no rosto e se espalhando para outras partes do corpo.

As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. A doença geralmente dura de 2 a 4 semanas.

O que é um diferencial indicativo: o desenvolvimento de lesões – lesões na cavidade oral e na pele. Elas começam a se manifestar primeiro na face e vão se disseminando pro tronco, tórax, palma da mão, sola dos pés", completa Trindade, que é consultora do grupo criado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para acompanhar os casos de varíola dos macacos.

Fonte: Por André Felipe, Rede Amazônica e g1 RO.



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade