Últimas Notícias
Brasil

PF faz operação contra empregadores que colocavam funcionários para dormir no chão

Investigados, que moram em Jaru (RO), aliciavam trabalhadores do Nordeste para trabalhar na construção civil em Rondônia e Mato Grosso.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta terça-feira (8) uma operação contra uma organização criminosa que aliciava trabalhadores do Nordeste para trabalharem na construção civil em Rondônia e Mato Grosso. No entanto, quando chegavam aos locais do suposto emprego, os trabalhadores eram colocados em condição análoga a de escravo.

Foto: Montagem r1rondonia


A operação policial é chamada de Capataz e, segundo a PF, a investigação contra o grupo começou após um dos trabalhadores fugir às pressas do local onde era mantido pelos empregadores, que residem em Jaru (RO).


Segundo foi descoberto pela polícia, esses trabalhadores trazidos do nordeste eram submetidos ao trabalho por meses consecutivos sem qualquer tipo de remuneração.


Além disso, os empregados dormiam no chão e nem recebiam alimentação diária de forma adequada. Os documentos pessoais dos funcionários também eram confiscados pelos empregadores.

Local onde trabalhadores eram mantidos por grupo investigado 


Após o funcionário escapar do local e denunciar o trabalho análogo ao escravo, a Justiça Federal de Juína (MT) ordenou o cumprimento de mandados judiciais contra os empregadores, que são suspeitos de integrarem uma associação criminosa.


Segundo a PF, os empregadores retinham a documentação da pessoas contratadas em Jaru e alegavam como justificativa a necessidade de comprar passagens de retorno das vítimas para suas cidades de origem.


A investigação do caso está sendo conduzida pela delegacia da PF em Ji-Paraná (RO).


Capataz

O nome da operação da PF faz referência ao termo utilizado para indicar o chefe de um grupo de trabalhadores, especialmente daqueles que realizam trabalhos braçais como na construção civil. (G1RO)



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade