Últimas Notícias
Brasil

Rondônia ainda não tem previsão de reduzir intervalo entre doses de vacina contra a Covid

Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) informou que aguarda posicionamento do Ministério da Saúde para implementar qualquer antecipação da vacinação (entre doses)


Rondônia ainda não tem previsão de reduzir o intervalo entre a primeira e a segunda dose de vacinas contra a Covid. Na última semana, o prazo do imunizante AstraZeneca foi reduzido por 'conta própria' em cidades de ao menos sete estados, pois os gestores buscam ampliar a proteção da população contra a variante delta do coronavírus.

Rondônia ainda não tem previsão de reduzir intervalo entre doses de vacina contra a Covid

Ao site, a Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) informou que aguarda posicionamento do Ministério da Saúde para implementar qualquer antecipação da vacinação (entre doses) ou discutir na Comissão Intergestores Bipartite (CIB) a aprovação de qualquer medida.


"O Governo do Estado esclarece que segue rigorosamente as diretrizes prescritas no Programa Nacional de Operacionalização da Vacinação (PNO). O cumprimento do calendário está condicionado aos envios de doses feitos pelo Ministério da Saúde", informou o estado, por nota.


Por enquanto, Rondônia vai continuar com os prazos de intervalos definidos no início da campanha nacional de imunização:


CoronaVac: Intervalo de 4 semanas entre a primeira dose e a segunda

AstraZeneca: Intervalo de 12 semanas (três meses) entre a dose 1 e a dose 2

Pfizer: Intervalo de 12 semanas (três meses) entre a dose 1 e a dose 2

Janssen: dose única

Previsão em bula

O Ministério da Saúde chegou a estudar a redução do prazo da AstraZeneca e Pfizer, mas reunião da Câmara Técnica manteve as 12 semanas de intervalo.


A bula da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), responsável pela produção e importação da tecnologia da AstraZeneca, já informa que "a segunda injeção pode ser administrada entre 4 e 12 semanas após a primeira".


A AstraZeneca reafirmou em nota ao G1 que "os estudos realizados até o momento demonstram que a vacina é eficaz na prevenção da Covid-19 sintomática quando aplicada neste intervalo de tempo", de 4 a 12 semanas. A farmacêutica disse, ainda, que a vacinação com a segunda dose após 60 dias "foi avaliada em estudos clínicos – e, por isso, está aprovada".


Avanço da variante delta

O receio da variente delta avançar no país foi um dos motivos que levou alguns estados já reduzirem o intervalo da aplicação de vacina (entre dose 1 e 2).


No último mês foram confirmados casos da delta na cidade de São Paulo.


Uma pesquisa publicada na última quinta-feira (8), na revista científica "Nature", revelou que a variante delta do coronavírus é parcialmente resistente a alguns tipos de anticorpos, mas que duas doses da vacina da Pfizer ou da AstraZeneca/Oxford são capazes de neutralizá-la. Por isso, especialistas estão reiterando de forma unânime que as pessoas procurem os locais de vacinação para tomar a segunda dose.


Infectologistas afirmam que, para se chegar a sonhada imunidade de grupo e para poder voltar ao normal, é necessário que ao menos 70% da população receba as duas doses.


Fonte: G1RO



« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!
- Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com

Publicidade