Últimas Notícias
Brasil

Jovem que matou a mãe e fingiu luto queria ficar com carro e a herança da família, diz MP

Foram oito testemunhas ouvidas pela polícia – entre amigos e familiares. Todos apontavam para um fato em comum: Bruno passou a viver com um padrão de vida com muito luxo, o que seria conflitante com a sua realidade, e passou a discutir frequentemente com a mãe.

 

Filho matou a mãe para ficar com o carro e a casa da família, diz justiça


De acordo com os relatos, o rapaz mudou seu comportamento após se interessar em cursar medicina, o que o levou a passar mais tempo com pessoas de maior poder aquisitivo. Com isso, aumentaram seus desejos de sair para locais de maior status social.

A moradia também foi motivo de briga entre Bruno e sua mãe. O jovem constantemente alegava que a casa onde moravam lhe causava “vergonha” e que por isso deveriam vendê-la para morar em outro bairro. 

A conclusão da Polícia Civil foi a de que o rapaz cometeu um crime por motivo torpe e o indiciou por homicídio doloso – quando há intenção de matar. A defesa nega a acusação e diz que “não há nenhum documento nesse sentido – de interesse na herança – no processo. O Bruno nega veementemente essa hipótese. O único bem que a mãe possuía era a casa e um carro.” 

 

Jovem que matou a mãe e fingiu luto queria ficar com o carro e a herança da família, diz MP

O caso

O crime ocorreu em dezembro de 2020, em Guarujá, no litoral de São Paulo. Na época, o suspeito chegou a fazer uma postagem nas redes sociais lamentando a morte da mãe. “Te amarei para sempre! Obrigado por tudo meu amor. Luto Eterno Rainha”, diz a publicação. 

A morte de Márcia comoveu diversas pessoas e uma página chegou a ser criada em uma rede social, com o nome “Justiça por Márcia Lanzane”. 

Em sua rede social, a vítima chegava a fazer homenagens ao filho. Em uma das postagens, feita em 2018, ela agradecia por tê-lo em sua vida e dizia que ele era sua força para viver, postando diversas fotos dos dois.

 

Defesa diz que suspeito está arrependido

 

O advogado Anderson Real, que representa o filho da vítima, afirma que o jovem relatou que o HD das câmeras foi fornecido por ele. 

“Após a morte, a polícia foi lá na residência, o levou para a delegacia e, durante o trajeto, questionou se não tinha câmera. Os policiais perguntaram onde estava o HD, e ele disse a verdade, que escondeu no forno porque estava com medo”. 

De acordo com Real, o filho de Márcia alega estar arrependido. “A versão dele é que, realmente, teve uma discussão, uma briga, arranhões, mas até então ele negava o estrangulamento. Agora, com as imagens, ele confessa que apertou o pescoço dela para imobilizar, e não para matar. Ele alegou que, depois disso, houve um pequeno desmaio da mãe, mas que ela não morreu naquele instante”, diz. 

“Ele afirma que chegou a voltar no quarto várias vezes depois disso para falar com ela, e que depois foi para a academia. Quando voltou, encontrou a mãe morta. Ele pediu ajuda para um amigo lhe explicar primeiros socorros, e depois acionou o Samu. Ele está totalmente arrependido pela briga que ocorreu com a mãe, e em nenhum momento tinha qualquer intenção de matá-la”, diz o defensor. 

Sobre a alegação da Polícia Civil de que Bruno passa a ser procurado, ele alega que “desde a época do ocorrido, ele se mudou da casa onde morava com a mãe, por pressões da família e ameaças em redes sociais, mas deixou o seu atual endereço disponível”.


Fonte: Painel Político.


« VOLTAR
AVANÇAR »

Nenhum comentário

- Seu comentário é sempre bem vindo!
- Comente, opine, se expresse! este espaço é seu!

- Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o redacaor1rondonia@gmail.com